Projeto desenvolve ações voltadas à identificação e localização de crianças e adolescentes desaparecidos. Novo Cidadão, programa que tem o RioSolidario como parceiro, também possui papel importante

SOS Crianças Desaparecidas

O SOS Crianças Desaparecidas, programa da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), órgão vinculado à Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, completa 20 anos. Criado em 1996, o projeto desenvolve ações voltadas à identificação e localização de crianças e adolescentes desaparecidos e sua reintegração familiar, resguardando direitos fundamentais de proteção. O Estado do Rio de Janeiro tem o maior percentual de resolução de casos do país, com 85% das pessoas localizadas. Nestes 20 anos, foram cadastradas 3.391 crianças, sendo que 2.879 foram localizadas e 512 continuam desaparecidas.

A jornalista Margareth Silva Andrade é responsável por José Victor Silva Guerra, de 13 anos, que desapareceu depois de sofrer bullying em um colégio na Zona Oeste do Rio.

– Logo após a aula, ele saiu desorientado e só foi localizado oito dias depois, em Nova Friburgo. Rezo a Deus todos os dias agradecendo pela volta do meu menino. A equipe da FIA foi primordial para que eu não perdesse a esperança – contou Margareth.

Rogéria Alves da Cruz sonha com o encontro com a filha, Vitória Claudiano Nogueira, que não é vista desde 5 de junho de 2009. A menina desapareceu aos 12 anos de idade, quando saiu para visitar uma amiga no mesmo bairro.

– Minha filha era feliz e não tinha motivos para fugir de casa. Tenho esperança de encontrá-la, porque não desisto – afirmou Rogéria.

A Lei de Busca Imediata é uma das grandes conquistas do programa SOS Crianças Desaparecidas. De acordo com a legislação, não é necessário esperar 24 horas para registrar o desaparecimento de um menor de idade. Outro projeto importante é o Novo Cidadão, realizado em parceria com o RioSolidario, concede certidão e carteira de identidade para bebês na maternidade.

– O desaparecimento de jovens é um fenômeno social preocupante. A cada ano, em média, 40 mil menores desaparecem no Brasil – explicou o coordenador do programa, Luiz Henrique Oliveira.

Semana Nacional de Mobilização

Em 2011, foi instituída a Semana de Mobilização Nacional para Busca e Defesa da Criança Desaparecida, que acontece anualmente de 25 a 31 de março. Durante esses dias, são realizadas ações de mobilização nacional pela busca de crianças e adolescentes desaparecidos e a divulgação de ferramentas e informações que auxiliam a sociedade a enfrentar o desaparecimento.

O Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos foi criado para montar um banco de dados para difundir informações sobre os menores de idade e suas famílias. O Disque 100 também é um meio de comunicação importante para localização dessas crianças.

Fotos: Natasha Montier