Espetáculo encantou crianças e adultos no teatro localizado no Jockey Club (Crédito: Bia Rodrigues)

Espetáculo encantou crianças e adultos no teatro localizado no Jockey Club (Crédito: Bia Rodrigues)

Sob a liderança da Primeira-Dama Helena Witzel, a equipe do RioSolidario mergulhou no Pátria Voluntária e iniciou seu trabalho já no primeiro dia de ações do Programa Nacional de Voluntariado. No dia que abriu o mês de fevereiro levamos crianças e adultos atendidos pela JAMDS – Associação Beneficente Jurema Amor nas Mãos para Deficientes e Surdos a uma sessão do espetáculo teatral Maria Minhoca, de Maria Clara Machado.

Instituição atende pessoas com e sem deficiência em Santa Cruz, zona oeste do Rio (Crédito: Bia Rodrigues)

Instituição atende pessoas com e sem deficiência em Santa Cruz, zona oeste do Rio (Crédito: Bia Rodrigues)

Em uma tarde de diversão e cultura, as pessoas contempladas pela instituição, localizada em Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro, se divertiram com uma peça cuja trama relembra o clássico “Romeu e Julieta”, contando uma linda história de amor e amizade recheada com aventuras e brincadeiras e que, apesar de escrita no fim da década de 1960, atravessa o tempo por meio dos valores que difunde.

“É muito importante poder proporcionar a essas pessoas acompanhar eventos e programas culturais e de entretenimento. Somos muito gratos por nos ter sido possibilitado ir ao teatro acompanhar esse espetáculo, que tanto encantou a todos”, agradece Jurema Duarte, gestora da instituição.

O espetáculo evoca o amor que triunfa apesar de todos os obstáculos e proibições que se apresentam, a ajuda proporcionada pelos amigos para a lida com situações do cotidiano, valores ligados à família e a importância da perseverança para superar dificuldades do dia a dia, tudo isso em meio a muita musicalidade e uma interpretação lúdica e irreverente.

Para Bruna Knoploch, atriz que dá vida a Maria Minhoca, é fundamental promover a aproximação entre instituições como a JAMDS e espetáculos artísticos e culturais. “O público atendido por essas instituições deve ter oportunidades de ir ao teatro, assim como qualquer outra pessoa. Os teatros estão vazios, isso é uma pena. Instituições que não possuem verba expressiva devem se unir aos teatros em um apoio mútuo para reverter essa situação. Um país sem cultura e sem arte não vai para a frente, pois não promove empatia”.

Ação foi a primeira do RioSolidario em apoio ao Programa Nacional de Voluntariado (Crédito: Bia Rodrigues)

Ação foi a primeira do RioSolidario em apoio ao Programa Nacional de Voluntariado (Crédito: Bia Rodrigues)

“O teatro ensina muito à criançada, desenvoltura e convida a conhecer a literatura do nosso país. Somos uma das únicas peças no mercado que tem essa literatura teatral para ser passado. Isso não tem preço. Para nós é muito gratificante, pelo momento que o teatro vive. É difícil até por questões financeiras sair de casa para ir ao teatro, mas é muito gratificante receber esse público”, completa Spartus Alves, que interpreta o Capitão Quartel.

No final do espetáculo, o elenco se dirigiu à área externa ao teatro, onde interagiu com o público. Lá estavam adultos e crianças atendidos pela JAMDS esperando para receber abraços e, com sorrisos sinceros, demonstrar a importância daquele momento para quem tanto se divertiu durante mais de uma hora de peça e se sentiu pertencido ao acompanhar a versão teatral de um clássico da literatura infantil nacional.