Alunos terão carteira de trabalho assinada e receberão salário

_MG_4794

Alunos de escolas públicas e adolescentes que cumprem medidas socioeducativas no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) contarão com Cursos de Aprendizagem e Formação Profissional em Teatro. Além da capacitação, os estudantes terão carteira de trabalho assinada e receberão salário por meio do Programa Jovem Aprendiz.

O lançamento do Projeto Jovem Aprendiz no Teatro aconteceu nesta quarta-feira (9/5), na Casa de Cultura Laura Alvim. Os cursos terão duração de 15 meses, totalizando 1.200 horas. Os alunos que irão participar do projeto terão aulas teóricas e práticas de interpretação de textos e personagens; ensaio de obras dramáticas; desenvolvimento de procedimentos de interpretação e de pesquisas e demonstração de competências pessoais.

A presidente do RioSolidario, Maria Lucia Horta Jardim, enfatizou a importância do projeto para a capacitação.

– Esses jovens terão um diploma muito valioso, pois este é um curso de 1.200 horas com o melhor na área de Cultura – disse Maria Lucia.

De acordo com o secretário de Educação, Wagner Victer, a proposta estimulará o protagonismo juvenil, aumentando as chances futuras de trabalho.

– Estamos trabalhando para que os participantes possam tirar DRT, o registro profissional, após concluírem o curso. O estudante com melhor rendimento ganhará uma bolsa integral no curso de Cinema da Estácio de Sá – destacou Victer.

Para Alexandre Sapucaia, coordenador de Sustentabilidade do Instituto Arcádia, o curso é um incentivo para inserir os jovens no mercado de trabalho:

– Os aprendizes que forem contratados para participar da capacitação vão receber além do salário e do vale-transporte, a oportunidade de conhecer o mundo artístico e de se inserir no mercado. Esse é o objetivo dessa grande parceria: mudar a vida de diversos jovens, ressaltou.

Aulas

As aulas serão na Casa de Cultura Laura Alvim e em um espaço do MetrôRio, um dos parceiros da iniciativa.

A parceria foi firmada entre as Secretarias de Educação e Cultura, com apoio do Ministério do Trabalho e do RioSolidario, e os institutos Arcadia e Invepar, além do MetrôRio.

Foto: André Gomes de Melo