Atendimento especializado recebe pacientes portadores de microcefalia encaminhados pelo Instituto Estadual do Cérebro

SorrisoEspecial_MauricioBazilio

Os pequenos pacientes portadores de microcefalia atendidos pelo Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IEC) têm agora um serviço de referência para tratar da saúde bucal. Uma parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde e o Núcleo Odontológico de Radiologia e Atendimento a Pacientes com Necessidades Especiais da Policlínica Piquet Carneiro vem permitindo que crianças e adultos com comprometimento neurológico tenham atendimento odontológico de média e alta complexidade gratuito, além de exames de imagem e laboratoriais. Mensalmente, a parceria tem capacidade de atender 80 pacientes para atendimento ambulatorial e 16 no centro cirúrgico. As consultas e procedimentos são agendados pelos Sistemas de Regulação Estadual e Municipal. Atualmente, 32 crianças estão sendo acompanhadas pelo serviço.

Ysabela Ramos, de oito meses, tem microcefalia e foi encaminhada pelo IEC para o serviço. Durante o atendimento, os pais da menina, Jonas Augusto Ramos e Amanda da Costa, moradores de Costa Barros, aprenderam como fazer a higienização da boca da criança, receberam informações sobre alimentação, uso controlado da chupeta, entre outras dicas. Ysabela será acompanhada na unidade para verificar a ocorrência de alterações na formação dos dentes associadas à infecção pelo vírus Zika.

– Gostamos muito do atendimento e da facilidade de acesso. É ótimo poder contar com um tratamento voltado para pacientes como a nossa filha – disse Jonas.

A unidade conta com cinco consultórios, um deles centro cirúrgico, sala de repouso pós-anestesia, tomógrafo odontológico, equipamento de radiografia panorâmica e cefalométrica, equipamento de exames intraorais e sala de laudo e cirurgias virtuais. Integram a equipe três dentistas especializados em pacientes com necessidades especiais, sendo um cirurgião buco-maxilo-facial, um endodontista (especialista em tratamento de canal) e um odontopediatra, dois técnicos de saúde bucal, dois técnicos de Raios-X e um radiologista.

– Esses pacientes costumam apresentar muitos comprometimentos, como lesões de cáries extensas, infecção, tártaro, anomalias dentárias como dentes a mais ou a menos, baixo fluxo salivar, má formação das arcadas dentárias, entre outros. Além disso, é difícil que os cuidadores consigam fazer uma correta higienização na boca desses pacientes. Por isso é tão importante oferecer um serviço especializado a essas pessoas que já passam por tantas dificuldades – explica o coordenador do Núcleo, Marcelo Faria.

Em funcionamento desde agosto de 2016, o programa completou 100 atendimentos especiais em janeiro deste ano. Os pacientes que necessitam de atendimento especializado em centro cirúrgico ou sob sedação medicamentosa são atendidos por equipe especializada. É o caso de Anderson Carlos Alves, de 40 anos, portador de deficiência mental e visual, morador de Itaboraí. Em seu primeiro atendimento, acompanhado da mãe, Mirian Batista, e do padastro, Beneval do Nascimento, ele respondeu bem ao tratamento e, apesar da indicação inicial, não foi necessária a anestesia geral.

– Ele vinha reclamando de dor de dente e isso nos angustiava muito. Já na primeira consulta, ele fez limpeza e raspagem. Em breve, vai voltar em breve para fazer nova raspagem na parte inferior da boca. O atendimento foi muito bom e eficiente. Achei todos muito dedicados – ressaltou Beneval.