Primeira-dama acompanha artesãs em visita guiada por exposição no CRAB (Crédito: André Gomes de Melo)

Primeira-dama acompanha artesãs em visita guiada por exposição no CRAB (Crédito: André Gomes de Melo)

Por Flávio Amaral

No começo de julho, a presidente de honra do RioSolidario Helena Witzel recebeu o certificado de Madrinha do Artesanato do estado do Rio de Janeiro. Na tarde desta terça-feira (30), duas semanas depois da homenagem, ela visitou o Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB).

Recebida pelo secretário de estado de Turismo, Otávio Leite, ela conheceu artesãs que participavam da curadoria do Programa de Artesanato do Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de adquirir a Carteira Nacional do Artesão e acompanhou a visita guiada pela exposição Brasilidade na Arte Popular – Acervo Museu Casa do Pontal. Ela ainda foi presenteada com uma peça em crochê retratando Nossa Senhora Aparecida.

Ao lado do secretário de estado de Turismo, a presidente de honra do RioSolidario exibe peça com a qual foi presenteada por uma artesã, uma Nossa Senhora Aparecida trabalhada em crochê (Crédito: André Gomes de Melo)

Ao lado do secretário de estado de Turismo, a presidente de honra do RioSolidario exibe peça com a qual foi presenteada (Crédito: André Gomes de Melo)

O passeio pelas cerca de 500 obras da coleção reunida durante mais de 50 anos pelo criador do museu, Jacques Van de Beuque, foi conduzido de forma a fazer com que o grupo imergisse no contexto da produção do artesanato, como conta Rosângela Fonseca, recepcionista bilíngue do CRAB.

“O caminho da exposição percorre o trabalho de pessoas muito simples, são artistas porque tiraram a arte da própria inspiração, do próprio dom. Nenhum fez faculdade de Belas Artes, muitos mal sabiam ler e escrever. A ‘sala do forno’, por exemplo, tem seu ambiente pensado para reproduzir o processo pelo qual o barro passa antes de ser trabalhado”, explica.

Rosângela inicia a visita guiada explicando a diferença entre arte popular e artesanato (Crédito: André Gomes de Melo)

Rosângela inicia a visita guiada explicando a diferença entre arte popular e artesanato (Crédito: André Gomes de Melo)

Rosângela conta que as peças representam o cotidiano dos artistas, tanto nos materiais utilizados – madeira, a palha, o barro – como no que diz respeito às cenas retratadas, como o carro de boi, a pescaria, as brincadeiras infantis e as festas religiosas e folclóricas.

Depois de acompanhar a visita em companhia das artesãs que haviam passado pela curadoria, a presidente de honra do RioSolidario destacou a importância do reconhecimento ao trabalho dos profissionais da área.

“Fiquei encantada ao visitar o interior do Brasil durante a viagem realizada pelas obras, que nos conduzem a diferentes regiões através da simplicidade e do talento de nossos artistas. O artesanato me acompanha desde a infância, por isso me alegro em ver espaços como esse valorizando a diversidade presente em nossa cultura. Que esse trabalho que traz o sustento a tantas famílias em nosso país possa ser cada vez mais reconhecido”, avaliou a primeira-dama Helena Witzel, impressionada com um trabalho em movimento que retratou o Carnaval carioca com um desfile de uma escola de samba assistido por uma eufórica plateia nas arquibancadas.