Atividade cultural contribui para o fortalecimento das mulheres vítimas de violência doméstica 

 

WP_20170901_009

Entre borboletas, experimentos científicos e até a reprodução de uma célula gigante, as mulheres atendidas pela Casa Abrigo Lar da Mulher do RioSolidario, acompanhadas dos filhos,  tiveram uma tarde de diversão e aprendizado. Eles visitaram o Museu da Vida, na Fiocruz, nesta sexta-feira (01/09).

A atividade cultural foi organizada pela Casa Abrigo, que aproveitou o dia de folga escolar das crianças para realizar o passeio com as famílias. Os visitantes conheceram o Castelo, que é o prédio-símbolo da Fiocruz, participaram de uma visita guiada para conhecer toda a história da construção e das pesquisas que são realizadas e se encantaram com o Parque da Ciência, que tem como grandes atrações o modelo de célula animal gigante e esculturas que mostram como funcionam a fala e a audição.

Assim como todas as atividades desenvolvidas dentro da Casa Abrigo, o passeio também  tem o objetivo de contribuir para o fortalecimento da mulher, como explicou a diretora do Lar da Mulher, Sueli Ferreira:

– A possibilidade de ver olhinhos brilhantes diante de tantas novidades foi uma experiência muito satisfatória.  Proporcionar uma tarde diferente para essas mulheres e crianças, que estão afastados do convívio com outros ambientes e pessoas, é, também, mais um estímulo para que permaneçam firmes no objetivo de romper definitivamente o ciclo de violência – explicou Sueli, acrescentando a importância cultural da visita.

A iniciativa também é uma oportunidade para aumentar a interação entre mães e filhos.  Esta foi a primeira vez que Vitória (nome fictício) foi ao museu. Mãe de cinco filhos, ela se encantou com o local e o que conheceu no Museu da Vida:

– Foi o máximo. Eu achei que não gostaria, pois tem muito tempo que não saio, mas amei tudo e conheci muitas coisas. Foi um passeio em família. Meus filhos se divertiram muito e não paravam de fazer perguntas. Conversamos muito sobre o passeio – contou Vitória, que apontou o Espelho Sonoro como a atração que mais gostou, por lembrar o “telefone sem fio”, uma de suas brincadeiras prediletas na infância.

Sobre a Casa Abrigo

O Lar da Mulher funciona 24 horas, em local sigiloso no Rio de Janeiro, e serve como residência temporária, com capacidade para abrigar 60 pessoas, entre mulheres e crianças. Ações, como grupos de reflexão, atividades lúdicas e relaxamento ajudam essas mulheres a reconstruírem seus laços familiares e de amizade, em geral, dilacerados após se afastarem de casa por medo do agressor.

Como ingressar na Casa Abrigo

É necessário o contato anterior com os locais que trabalham com a Rede de Proteção à Mulher, são eles: Centro Integrado de Atendimento à Mulher (CIAM), Centro Especializado no Atendimento à Mulher (CEAM), Núcleo de Atendimento à Mulher (NIAM), Plantão Judiciário (CEJUVIDA).

É possível obter o endereço desses locais através do Disk 180 ou através das Delegacias; principalmente das Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAM).

 

Foto: Divulgação