Capacitação durou três meses e tinha como objetivo promover a inclusão social e abrir as portas do mercado de trabalho

 

_MG_2674

Trinta e três adolescentes e jovens adultos em situação de vulnerabilidade social receberam, nesta quinta-feira (09/08), durante evento no Palácio Guanabara, certificado da oficina de restauro de mobiliários e elementos pétreos oferecida pelo RioSolidario, obra social do Rio de Janeiro. A iniciativa, que conta com o Senac e Sebrae como parceiros, tem o intuito de abrir as portas do mercado de trabalho para pessoas como Matheus Nogueira, de 22 anos, que estava desempregado antes de fazer a oficina de restauro de elementos pétreos. Matheus se destacou durante o curso e acabou sendo contratado para trabalhar na equipe de manutenção dos palácios Guanabara e Laranjeiras.

– Esse curso me deu uma nova perspectiva, uma oportunidade de conseguir um emprego e talvez até me tornar um microempreendedor. Eu aprendi muitas coisas que eu não imaginava, foi uma experiência excelente. Agora eu vou chegar em casa e dizer para a minha mãe que eu finalmente tenho um emprego – contou Matheus.

As aulas, que duraram três meses, aconteceram no subsolo do Palácio Laranjeiras, que teve os móveis de madeira vindos da Europa, na década de 1910, restaurados pelos alunos. Peças de mármore e outros itens também foram devolvidos ao local com as devidas correções, depois de danos e desgastes por causa do tempo. Para a aluna Dandara Jacinto, a experiência de trabalhar com peças de grande valor histórico foi muito enriquecedora e representa um ponto a mais no currículo.

– É uma satisfação tremenda ter feito o restauro de parte do mobiliário do Palácio Laranjeiras. Foi uma experiência muito enriquecedora. Agora é esperar as oportunidades que o futuro nos reserva – disse Dandara.

Durante a formatura, a primeira-dama e presidente do RioSolidario, Maria Lucia Horta Jardim, anunciou ainda que quatro alunos terão mais uma oportunidade e foram selecionados para fazer outros dois cursos de mobiliário e estofaria. Ela destacou a importância da educação para a construção de uma sociedade mais igualitária.

– Acredito que só a educação e a cultura garantem a dignidade para qualquer um falar com qualquer pessoa olho no olho, independente da condição social. Não tem outra saída para o ser humano. Só assim a gente vai ter uma sociedade mais justa e mais humana – afirmou a primeira-dama, que agradeceu ainda o apoio dos parceiros.

Cada aluno recebeu uma bolsa de R$ 200, mais passagens, lanches e a indumentária necessária para lidar com lixas, solventes e tintas, como avental e luvas. A ideia é que, com o valor da bolsa, o aluno possa adquirir algum material e ferramentas básicas para ingressar numa profissão ou se especializar em cursos mais avançados. A diretora regional do Senac, Ana Claudia Martins, ressaltou que a oficina de restauro é só o primeiro passo e que a instituição pretende apoiar novas iniciativas como esta junto ao RioSolidario.

– Esse trabalho não termina aqui. Temos como missão transformar a vida das pessoas – destacou Ana Claudia.

Para o diretor do Sebrae, César Vasquez, a realização de cursos de capacitação rápida para que as pessoas consigam entrar no mercado de trabalho ou montar o próprio negócio é uma política pública que o Brasil precisa desenvolver com mais afinco.

– Esse segmento da população que se vira e trabalha muito precisa de mais atenção para melhorar a sua produtividade, suas receitas e contribuir de forma mais decisiva para o desenvolvimento do país. O Sebrae está de portas abertas caso vocês queiram abrir o próprio negócio – ressaltou César.

As aulas foram dadas por arquitetos e assistentes e incluíram uma visitação completa ao Palácio Laranjeiras. Entre os temas abordados, estão práticas de conservação, estofaria e capotaria, conservação dos elementos metálicos e cerâmicos, entre outros. Eles também tiveram aulas de comportamento e ética profissional. A ementa foi pensada com o objetivo de tornar os jovens aptos a trabalharem por conta própria ou em empresas que atuem com restauração de imóveis públicos ou privados, na restauração de móveis residenciais e ainda na conservação de pisos de mármore e granitos em shoppings e edifícios em geral.

Palácio Laranjeiras

O Palácio ficou pronto em 1913, criado para abrigar a família do industrial Eduardo Guinle. Desde 1975 pertence ao Governo do Estado, sendo a residência oficial do governador. A edificação é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro (INEPAC). Por seus aposentos e salas de jantares já passaram grandes estadistas, como os ex-presidentes Charles de Gaulle (França) e Harry Truman (Estados Unidos), além do Papa João Paulo II.

Fotos: André Gomes de Melo