Equipe do RioSolidario participou da atividade de inclusão para a pessoa com deficiência

 

Musicalidade em Libras.

O evento “Musicalidade em Libras: uma proposta de inclusão para o surdo”, realizado no auditório da UniverCEDAE,  na última quinta-feira (26/09), englobou temas como música, Língua Brasileira de Sinais e inclusão, envolvendo ainda arte, cultura e interdisciplinaridade.  A apresentação foi assistida pela turma de jovens aprendizes que fazem parte do projeto que garante o primeiro emprego a jovens com deficiência intelectual, uma parceria da CEDAE com a Escola Especial Favo de Mel (Faetec), CIEE e RioSolidario.
O projeto Musicalidade em Libras surgiu em 2014 – sob a orientação e coordenação de Fátima Andrade, professora de Língua de Sinais e mestra em Diversidade e Inclusão – a partir de aulas ministradas a alunos de cursos de ensino superior e, ao longo destes três anos, tem sido apresentado em diversas instituições.

– Criamos este projeto com o intuito de proporcionar a vivência da Língua de Sinais através da musicalidade no contexto cultural, somada aos benefícios que a música oferece, como as questões de inclusão social e diversidade – destacou a professora Fátima Andrade.

Para Luciana Rosa, coordenadora do Banco de Jovens do RioSolidario, o que foi apresentado estava alinhado com as diretrizes do projeto Autonomia Sim, criado pela ONG:

– A apresentação foi muito bonita e impactante. Um dos principais projetos do RioSolidario é oAutonomia Sim, voltado para PcD, que busca reforçar e agir para inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. São pessoas que têm potencial para crescer e se desenvolver profissionalmente – enfatizou Luciana.

Durante o evento foram cantadas, tocadas e interpretadas em Libras músicas como o Hino Nacional Brasileiro, É preciso saber viver, Dias melhores, Planeta água, entre outras. O objetivo principal é mostrar a influência da música como recurso pedagógico no processo de ensino-aprendizagem da disciplina Língua Brasileira de Sinais, além de estimular a conscientização a respeito da inclusão social no contexto acadêmico e no mercado de trabalho.

Estiveram presentes na ocasião a professora e fundadora do projeto, Fátima Andrade; alunos das instituições Simonsen e Conservatório Brasileiro de Música, além de representantes da CEDAE.

 

Texto e fotos: Ascom da Cedae