O desenhista e educador Daniel Azulay recebeu o público e deu autógrafos no estande do RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

O desenhista e educador Daniel Azulay recebeu o público e deu autógrafos no estande do RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

Por Flávio Amaral

Quem compareceu ao estande do RioSolidario no primeiro dia da XIX Bienal do Livro voltou a ser criança, mesmo que por alguns minutos. Pessoas de todas as idades acompanhavam os traços do desenhista e educador Daniel Azulay na folha em branco que, no papel, deu origem a um peixe, mas, fora dele, pintou sorrisos nos rostos de dezenas de espectadores. “Eu assistia você na televisão desde pequena!”, ouvia-se, entre um autógrafo e outro em exemplares da revista Soprinho, ilustrada pelo artista e que traz conteúdo educativo sobre trânsito.

Reunindo grande público em nosso estande nesta sexta-feira (30), ele apresentou o passo a passo de sua criação, incluindo dicas que utilizava nos programas que apresentava: “Na televisão, não dava tempo de esperar a tinta secar, era tudo muito rápido. Por isso, passei a usar um material chamado pastel seco”, conta o desenhista, enquanto mostrava o acabamento dado no desenho que dedicou “aos queridos amigos do RioSolidario, com muito carinho“.

Diretora executiva do RioSolidario exibe desenhos dedicados por Daniel (Crédito: André Gomes de Melo)

Diretora executiva do RioSolidario exibe desenhos dedicados por Daniel (Crédito: André Gomes de Melo)

Arte para o futuro

A afinidade com o trabalho desenvolvido por nossa instituição vai além da visão da arte, cultura e educação como motores de transformação de realidades: Daniel também desenvolve um trabalho social chamado Crescer com Arte, nos quais transmite a crianças a partir dos 6 anos de idade a esperança de um futuro melhor através de técnicas artísticas, como pintura, escultura e colagem.

“Mesmo com a convergência de mídias e o avanço da tecnologia, que permitem acessarmos informação em vários canais, há coisas que ainda são indispensáveis. O livro é uma delas. Podemos acessar conteúdo em diversos canais diferentes. Mas com pouca leitura, vocabulário restrito, a compreensão é dificultada. O livro é um canal de conhecimento que não tem substituto”, afirma Daniel.

O artista destaca a importância do ensino da arte para proporcionar a crianças e jovens uma perspectiva de um futuro melhor: “Independentemente de dom, talento ou vocação, as técnicas de expressão artística podem ajudar na inserção social de jovens e permitir que aprendam um ofício que traga a eles uma razão para vencer na vida, ter seu sustento e serem multiplicadores, ensinando a outros jovens o que aprenderam”.

Lilian do Val lança livro sobre o amor no estande do RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

Lilian do Val lança livro sobre o amor no estande do RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

Amor em expressão

Tratar do amor em uma “obra poética, com uma pincelada filosófica e teológica”. Essa é a proposta da arquiteta, urbanista e graduanda em Psicologia Lilian do Val em A Transliteração do Amor: Uma viagem rumo ao imensurável, lançado em nosso estande também nesta sexta.

“Vivemos hoje em uma sociedade tão caotizada, na qual valores e conceitos tão primordiais são deixados de lado por conta da correria diária. As pessoas não se tocam, não se abraçam mais”, pontua a autora, que chama a atenção para uma observação mais atenta ao sentimento que compõe o título de sua obra.

Ao questionar se nossa sociedade entende a verdadeira perspectiva do amor, Lilian apresenta uma das discussões trabalhadas em sua narrativa: “Nessa visão do amor de forma poetizada, mas de forma simples, pura. trazemos a temática do resgate do amor real, o amor universal, que nos une e nos torna melhores enquanto seres humanos.”

Confira as fotos do primeiro dia de #RioSolidarionaBienal2019: