Em entrevista, Michele Domingues fala sobre as informações que não podem faltar e os principais erros na hora de criar o documento

Currículo

Como diz o ditado: “a primeira impressão é a que fica”. Portanto, um currículo bem elaborado pode ser um grande passo na conquista de um emprego. Erros de português e excesso de informações – ou a falta delas – são alguns dos “pecados curriculares” mais comuns. Em entrevista, Michele Domingues, assistente de Desenvolvimento Profissional do CIEE Rio, dá dicas de como criar o currículo ideal – e fala também das informações que não devem ser colocadas.

Quais as informações que não podem faltar em um currículo? Há algum modelo a seguir? Há alguma formatação ideal?

Michele: Não podem faltar dados para contato, escolaridade e experiência profissional.  Mas não existe um modelo único de currículo. Ele é uma comunicação profissional, portanto deve ser escrito de maneira clara, formal e impessoal, evitando pronomes pessoais. Quanto às fontes, as indicadas são Arial ou Times New Roman, tamanho 12, podendo destacar os títulos com tamanho 14.

Há um número máximo de páginas?

Michele: No máximo, duas folhas.

Quais as informações que não são necessárias? É necessário colocar foto, data de nascimento e endereço?

Michele: Foto não é necessária, a não ser que a empresa solicite (não é correto solicitar foto, podendo ser levado como um ato discriminatório). É importante colocar a data de nascimento, assim evitamos perda de tempo e expectativa, tanto de quem vai fazer o processo, como do candidato, caso a vaga possua exigência de idade.  O endereço deve ser colocado para que o recrutador verifique o tempo de deslocamento e custo com transporte para a empresa.

Devem ser incluídas características pessoais? É preciso colocar todo o histórico escolar?

Michele: Não devem ser incluídas características pessoais, pois o recrutador vai verificá-las nas etapas do processo seletivo (entrevista/dinâmicas de grupo). No histórico escolar, devemos informar a última escolaridade, salvo em casos de pós-graduação, ou seja, em que o candidato fez superior e pós, ou em casos em que o segundo grau for técnico e é relacionado ao nível superior.

Como devem ser colocadas as experiências profissionais?

Michele: O currículo deve conter as três últimas experiências profissionais, sempre da última ou atual para as anteriores. Experiências como voluntariado são levadas em consideração e também a participação em projetos sociais e outras atuações que complementem o perfil profissional.

O currículo deve ser personalizado de acordo com a vaga e a empresa? Por quê?

Michele: Podemos sim personalizar de acordo com a vaga desejada, assim, informaremos ao recrutador todas as experiências voltadas para aquela oportunidade.

Devo colocar os últimos salários e a minha pretensão salarial?

Michele: Somente se a empresa solicitar.

Leia mais:

Dicas ajudam na preparação para uma entrevista de emprego

Texto: Gabriela Murno

Foto: Bruto Itan