Candidatos da seleção preenchem ficha antes da entrevista coletiva (Crédito: André Gomes de Melo)

Candidatos da seleção preenchem ficha antes da entrevista coletiva (Crédito: André Gomes de Melo)

“Multiplicador” é um termo comum no ambiente corporativo. Empresas apostam em colaboradores com perfil de liderança e engajamento e com experiência sólida de mercado para disseminar conhecimento entre equipes de trabalho, tornando-se referência. Em vez de reter o aprendizado, ele vê a multiplicação da informação como um meio de aprimoramento para os demais profissionais, o que acarreta melhores resultados para toda a organização.

Morador de Vicente de Carvalho, Matheus Gonçalves, de 24 anos, vê a gestão do conhecimento por um prisma diferente e sonha em ser esse multiplicador para seus colegas de trabalho. Promotor de eventos nos quais covers de artistas se apresentam, ele e outros cerca de 90 candidatos vieram ao RioSolidario para a segunda etapa do processo seletivo para vagas de trabalho temporário no Rock in Rio.

Matheus sonha em participar do Rock in Rio e levar o conhecimento adquirido para os eventos que produz (Crédito: André Gomes de Melo)

Matheus sonha em participar do Rock in Rio e levar o conhecimento adquirido para os eventos que produz (Crédito: André Gomes de Melo)

Uma dessas vagas pode ser dele, mas beneficiaria um público do tamanho dos sonhos de Matheus e de seu grupo de trabalho, que organiza shows em uma arena no complexo da Penha.

“Quero estar no Rock in Rio para conhecer a experiência dos bastidores de um grande evento e levar esse aprendizado para os eventos que produzimos na comunidade. Não temos técnicos de luz e som nem qualquer orientação de monitor, então minha intenção é aprender com quem tem essa estrutura e aplicar na nossa realidade, com artistas que não têm a oportunidade de chegar em um espaço tão grande”, conta o rapaz.

Ele compara a chance de mergulhar no universo criado na Cidade do Rock a um um grande workshop sobre a área que mais lhe encanta, a produção de eventos, e com uma finalidade nobre: “ao mesmo tempo em que eu estaria sendo beneficiado por essa oportunidade, estou beneficiando muitas outras pessoas”.

Por “outras pessoas” Matheus se refere não apenas a seus companheiros de trabalho. “Muitos não têm a oportunidade de ir a um show da Beyoncé, da Iza, da Anitta, mas trazemos os covers oficiais e grupos de dança para promover cultura e entretenimento.”

Um ambiente que o jovem está ansioso para conferir é o Espaço Favela, projetado pela primeira vez para a edição deste ano e onde ele vai encontrar diversos amigos. “Não pude estar com eles lá dentro. Tive uma porta fechada, mas não posso ficar parado. Busquei outra forma de, com minhas próprias pernas, estar próximo deles e apoiá-los, mesmo em outra área. Falei para o grupo torcer bastante por mim na seleção, porque, se eu conseguisse entrar e pegar experiência, conseguiríamos fazer eventos muito maiores. Pretendo multiplicar minha experiência no Rock in Rio”, finaliza.

Equipe de projetos do RioSolidario orienta candidatos na chegada ao RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

Equipe de projetos do RioSolidario orienta candidatos na chegada ao RioSolidario (Crédito: André Gomes de Melo)

Despertando pela sustentabilidade

A apresentação de Ana Beatriz Amaral, de 19 anos, chamou a atenção por seguir um caminho diferente das demais, no que diz respeito aos motivos que a levaram a desejar uma vaga no evento.

Diferentemente da identificação com a música ou mesmo com a produção de eventos, o tema sustentabilidade e educação ambiental veio à tona em seu discurso. Isso devido ao projeto social Amazonia Live, através do qual o evento pretende chegar ao plantio de mais de três milhões de árvores na Amazônia através de uma plataforma colaborativa.

“É um evento enorme, que envolve pessoas de diferentes nacionalidades, culturas diferentes, por isso a consciência com a natureza me chamou muito a atenção e me interessou muito. Tenho um grande envolvimento com esse tema e, quando criança, tive a oportunidade de plantar uma árvore. Foi apenas uma, mas aquilo ficou gravado na minha memória para sempre. Com esse tema sendo notícia todos os dias de uma forma ruim, imagina o impacto de um evento como esse e tantas árvores sendo plantadas”, conta a menina, que concluiu recentemente o ensino médio e ansiosa por conhecer os bastidores do Rock in Rio e identificada com a área de atendimento ao público.

Dezenas de candidatos participaram da seleção para vagas no Rock in Rio 2019 (Crédito: André Gomes de Melo)

Dezenas de candidatos participaram da seleção para vagas no Rock in Rio 2019 (Crédito: André Gomes de Melo)