Equipe feminina perdeu para os Estados Unidos e ficou com o quarto lugar

Goalball_CarlosMagno

A torcida brasileira se despediu, na sexta-feira (16/09), das partidas de goalball na Paralimpíada Rio 2016. Com a arena cheia, as equipes feminina e masculina disputaram a medalha de bronze.

O time masculino conquistou a medalha de bronze ao vencer a Suécia por 6 a 5, na prorrogação. Já as mulheres foram derrotadas por 3 a 2 pelos Estados Unidos e ficaram com o quarto lugar no torneio disputado no Parque Olímpico da Barra da Tijuca.

A administradora Luciana Carvalho, de 35 anos, trouxe toda a família de Aracajú para participar dos Jogos. Depois de assistir às disputas de esgrima e bocha, ela conferiu o goalball com filho Pedro, de 9 anos, que tem paralisia cerebral; o marido Antônio; e a irmã Vânia Oliveira, deficiente auditiva.

– Tenho um filho com paralisia cerebral e precisávamos viver a experiência de uma Paralimpíada no nosso país. Este é um momento de descobertas para o Pedrinho, que está conhecendo as modalidades – relatou Luciana.

Disputas 

Em uma partida emocionante, a Seleção Brasileira masculina saiu com a vitória e a medalha de bronze da Arena do Futuro. A equipe perdia por 4 a 0 até os cinco minutos do segundo tempo.

Com o apoio da torcida, que gritava “eu acredito”, o Brasil reagiu e empatou a partida em 5 a 5, faltando apenas 30 segundos para o final. No goalball, são disputados dois tempos de 12 minutos. A partida foi decidida no segundo tempo da prorrogação e terminou 6 a 5, com o “gol de bronze”.

– Ganhar uma medalha em casa é o sonho de qualquer atleta. Quando a torcida gritou “eu acredito”, senti que a vitória ia ser nossa. É um bronze com gosto de ouro – destacou Romário Marques, camisa 6 do Brasil.

No primeiro jogo do dia, a Seleção Brasileira feminina perdeu para os Estados Unidos por 3 a 2. Apesar de não conquistar uma medalha, o resultado é inédito para a modalidade.

– Para a gente do goalball, o resultado é histórico, pois nunca tínhamos chegado a uma semifinal e conseguir isso numa Paralimpíada é muito bom – disse Neusimar Santos, camisa 2 do Brasil.

Goalball

O goalball é disputado por atletas com deficiências visuais, que jogam vendados. Uma curiosidade é que o esporte surgiu para reabilitação de veteranos de guerra. No Rio 2016, dez seleções masculinas e dez femininas buscaram o pódio do esporte, que faz parte dos Jogos Paralímpicos desde Toronto 1976.

Uma partida de goalball acontece entre duas equipes com três atletas cada, com o objetivo de fazer gols. Durante o jogo os atletas têm a função de arremessar e defender. A bola arremessada deve tocar em determinadas áreas da quadra para que o lance seja considerado válido.

Texto: Gabriela Murno

Fotos: Carlos Magno