A despedida de Carla do Espaço de Educação Infantil Batan foi momento de grande emoção para a pedagoga (Crédito: Arquivo pessoal)

A despedida de Carla do Espaço de Educação Infantil Batan foi momento de grande emoção para a pedagoga (Crédito: Arquivo pessoal)

Por Flávio Amaral

Enquanto trabalhava na residência de uma família cuidando das duas crianças da casa, Carla Regina Amaral sonhava em cursar uma faculdade. Ela ainda não tinha chegado a uma conclusão sobre o curso ao qual viria a se dedicar, mas sabia que o ensino superior era o caminho para o que mais desejava: um emprego de carteira assinada.

A oportunidade veio em 2012 no Espaço de Educação Infantil Batan, durante um processo seletivo para uma vaga que ela acreditava ser de recreadora. A função para a qual estavam sendo selecionados profissionais, no entanto, era auxiliar de serviços gerais. Mas ela seguiu as etapas, foi aprovada e, já contratada, percebeu o verdadeiro caminho que deveria seguir em sua carreira.

Carla no chamado "acolhimento", parte do procedimento de posse após aprovação no concurso público (Crédito: Arquivo pessoal)

Carla no chamado “acolhimento”, parte do procedimento de posse após aprovação no concurso público (Crédito: Arquivo pessoal)

“Sempre tive o sonho de cursar uma faculdade, mas não sabia em que curso iria me realizar, eu ainda estava nessa busca. No trabalho com serviços gerais, comecei a observar a rotina da creche e me identificando com o trabalho das professoras e recreadoras. Percebi que ali eles dão oportunidade de o profissional crescer e elas viram que eu queria crescer. Nesse processo, descobri que eu queria cursar Pedagogia”, relembra Carla.

A lida com crianças na casa da família onde trabalhava a ajudou na imersão nos cuidados com os pequenos. A oportunidade na creche permitiu a ela não apenas custear seus estudos com seu salário, mas também tomar de vez a decisão que mudaria sua vida. Ela conta alguns dos motivos: “as crianças pegaram carinho por mim, enquanto várias pessoas diziam que eu levava jeito para trabalhar nessa área. Foi assim que eu me identifiquei e soube que queria aquilo para mim”.

Em visita ao RioSolidario, ela mostrou otimismo para a nova fase depois de sete anos de aprendizado no trabalho no E.E.I. Batan (Crédito: André Gomes de Melo)

Em visita ao RioSolidario, ela mostrou otimismo para a nova fase depois de sete anos de aprendizado no trabalho no E.E.I. Batan (Crédito: André Gomes de Melo)

Já cursando Pedagogia, ela foi chamada pela direção da creche para se tornar recreadora. Foi um passo decisivo na carreira dado antes mesmo de terminar a graduação. Carla conta que seguiu buscando concursos públicos na área, mas sua vontade maior era dar o passo seguinte no Espaço de Educação Infantil que lhe proporcionou sua primeira oportunidade de emprego formal.

Prestes a se formar, em 2017, a então recreadora recebeu a proposta para se tornar professora, o que a fez relembrar a trajetória que construiu. “Foi um período muito marcante para mim, porque me deu uma direção para minha vida”. Após cerca de dois anos como professora, Carla obteve a resposta de um dos concursos que havia prestado em 2015. Aprovada como professora de educação infantil na Prefeitura do Rio de Janeiro, ela deixou a creche esse mês.

Na despedida da creche, ela foi homenageada por sua trajetória (Crédito: Arquivo pessoal)

Na despedida da creche, ela foi homenageada por sua trajetória (Crédito: Arquivo pessoal)

A despedida das colegas de trabalho foi um momento marcante. “Minha equipe de trabalho fez uma homenagem surpresa para mim pelo tempo que passei ali, pela história que tive… leram uma mensagem com a minha trajetória, a garra que tive como auxiliar de serviços gerais de olhar à frente e ver possibilidades de crescer”, relembra com carinho, emocionada.

Hoje trabalhando em dois espaços de educação infantil na comunidade da Vila Aliança, Carla avalia que o período que passou na creche, desde sua contratação como auxiliar de serviços gerais até se tornar recreadora e, então, professora, como uma preparação necessária que não apenas a aproximou do que sonhou para sua carreira, como também a conduziu para sua conquista mais recente.

“Precisei passar quatro anos aprendendo ali sobre o trabalho, primeiro acompanhando de perto nos serviços gerais, e então como recreadora e professora. Consegui tudo isso com a ajuda da equipe da creche e do RioSolidario, que abre as portas do mercado de trabalho para muita gente. Sou muito grata ao RioSolidario e à diretora”, finaliza.

Homenagem recebida no dia da despedida no Batan marcou a carreira de Carla (Crédito: arquivo pessoal)

Homenagem recebida no dia da despedida no Batan marcou a carreira de Carla (Crédito: arquivo pessoal)