Pais e instituições que atendem pessoas com autismo participaram de audiência pública da Comissão da Pessoa com Deficiência

Alerj

Pais e representantes de instituições que atendem pessoas com autismo participaram de audiência pública da Comissão da Pessoa com Deficiência da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta terça-feira (12/04). O principal tema debatido foi o projeto de lei que prevê a criação da política pública estadual de proteção dos direitos da pessoa com autismo.

O texto 748/15, de autoria da deputada Martha Rocha, estabelece o incentivo a políticas públicas de inclusão de autistas na sociedade, com estímulo a pesquisas científicas sobre a deficiência, maior participação da comunidade na criação das políticas e maior atenção ao diagnóstico precoce.

Um dos principais pontos destacados no encontro foi a necessidade da criação de centros específicos para tratamento de autistas no estado. Atualmente, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são responsáveis pelo acolhimento e reinserção social dos autistas, no entanto, para o Superintendente de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), Marco Castilho, CAPS não é o espaço ideal para realizar o atendimento do autista.

– Os centros de atenção psicossocial são voltados para pessoas com doenças e transtornos mentais, o que não inclui os portadores do autismo, que é apenas uma deficiência – explicou Marco.

Outro projeto (311/15), de autoria do deputado Nivaldo Mulim, estabelece a criação de Centros de Estudos Profissionalizantes para autistas no estado.

Segundo a deputada Martha Rocha, que também participou da reunião, o encontro foi importante para ouvir novas ideias e reclamações destes representantes.

– Vamos analisar tudo o que foi dito hoje e também as sugestões de futuros encontros para alinhar ainda mais os interesses e necessidades dessa população específica com as propostas do projeto – disse Martha.

O presidente da Comissão, deputado Márcio Pacheco, afirmou que novas audiências serão feitas para aprofundar ainda mais a discussão:

– Iremos chamar mais entidades e representantes da sociedade civil para debater esse projeto de lei tão importante – relatou Márcio.

Para Andrea Bussade, integrante da Comissão de Direitos Humanos da OAB e mãe de um adolescente com autismo, é fundamental que o estado e o município do Rio estejam atentos sempre para pessoas como seu filho.

Fonte: Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj)

Fotos: Lucas Moritz